quarta-feira, 13 de outubro de 2010

As pessoas que nascem cegas sonham?

Todas as pessoas sonham. Umas vezes, temos vários sonhos por noite; outras, temos vários sonhos por semana.
Muitas vezes, quando acordamos, lembramo-nos do que vimos, do que passamos, de como nos sentimos e de quem estava no sonho.
Mas surge uma dúvida pertinente:

• Como sonham as pessoas cegas de nascença, se nunca tiveram contacto com a imagem visual?

Liliane Camargos, psicóloga e mestre em teoria psicanalítica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), explica que as pessoas que nasceram cegas sonham normalmente todas as noites usando as suas experiências. Os seus sonhos são compostos por situações de diversos tipos, vividas e percebidas do modo como elas "veem" o mundo acordadas. "Os seus sonhos são formados por imagens perceptivas, não visuais, como imagens auditivas, táteis, olfativas e gustativas. Mesmo sem a imagem visual, a sensação que um cego de nascença tem ao sonhar é a mesma de uma pessoa que possui a visão", afirmaLiliane.

• Será que uma pessoa que perdeu a visão sonha de modo diferente de uma pessoa que já nasceu cega?


Segundo a psicóloga quando uma pessoa perde completamente a visão, sonhará com as imagens visuais durante um incerto período, pois com o tempo, essas imagens apagar-se-ão da sua memória e passará a utilizar outros sentidos para sonhar.

• E como é que sonham as pessoas que possuem pouca visão?


No caso de pessoas que possuem baixa visão, ou visão subnormal, elas sonham (…) com imagens visuais incompletas", completa Liliane Camargos.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Blogue com novo design

Sejam muito bem-vindos ao meu blogue, caros visitantes!

Como todos sabem, quando compramos um produto, temos em conta a sua imagem.
Quanto mais apelativo e apresentável for um produto mais sucesso terá na sua venda. O mesmo se poderá aplicar num blogue! Portanto, quanto melhor for a apresentação de um blogue, mais cativa os visitantes da Internet a explorá-lo mais em pormenor. Podem achar - inicialmente - comparações distintas, mas se reflectirem bem, verão que tenho razão! Alterar, de vez em quando, o design do nosso blogue pode ser uma óptima maneira de não ser mostrar tão monótono e de atrair mais pessoas.

O que acham do novo design do blogue?


Deixe aqui o seu comentário!

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Onde se encontra a Terra no Universo?

O nosso planeta, a Terra, é onde nós vivemos. Onde vivem milhões de pessoas. Onde cada dia nascem, mas também morrem cidadãos. Onde e tu somos minúsculos, mas podemos fazer a diferença. Se tentarmos imaginar o tamanho do mundo, como será tentarmos imaginar o que há para além dele? Não será realmente um extensão sem limites? E onde se encontra a Terra nessa extensão? Lê aqui para obteres a resposta.

O planeta Terra encontra-se algures no Universo. Não sabemos o local preciso, pois o Universo não tem limites; é indefinido. Este é subdividido em superenxames de galáxias e o nome daquele onde a Terra se encontra é o Superenxame Local. Os superenxames, por sua vez, subdividem-se em enxames de galáxias, sendo Grupo Local a denominação do nosso enxame. Em cada enxame de galáxias podemos encontrar muitas galáxias. A do planeta Terra é a Via Láctea. Num dos braços espirais desta galáxia encontra-se o Sistema Solar. O Sistema Solar formou-se a partir de uma nebulosa, onde nasceu uma estrela (Sol) e onde se originaram vários planetas - entre eles a Terra - e asteróides, cometas, meteoros, etc.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Distúrbios Alimentares

  • O que são Distúrbios Alimentares?

São doenças psiquiátricas estando na sua origem a interacção de factores psicológicos, biológicos, familiares e socioculturais. Caracterizam-se, fundamentalmente por alterações significativas do comportamento alimentar. Afectam sobretudo as mulheres jovens.
Sabe-se que não se deve a modas, mas que a pressão cultural para a magreza, a insatisfação e a preocupação com o peso podem contribuir,
juntamente com outros factores, para um aumento da vulnerabilidade, que por sua vez pode levar á tomada de decisão de iniciar uma dieta.
É pertinente referir que a dieta só por si não constitui uma condição suficiente para o desencadear de um distúrbio alimentar, mas é uma condição necessária, dado que não existem distúrbios alimentares sem dieta.
As doenças relacionadas com os distúrbios são: a anorexia, a bulimia, a desnutrição e a obesidade.

 O que é a anorexia?
A anorexia é uma disfunção alimentar caracterizada por uma alimentação insuficiente, com a obcecação da diminuição da massa corporal, o medo mórbido de ganhar peso e a magreza.
Na anorexia verifica-se uma perda de peso excessiva obtida através de uma restrição de alimentos, a realização de exercício físico excessivo e, outros também o fazem, o uso de técnicas purgativas (provocar o vómito, abusar de laxantes, etc), para eliminar as calorias consumidas. As consequências deste distúrbio são perigosas para o bom funcionamento do nosso organismo.

 O que é a bulimia?
A bulimia é um distúrbio alimentar que consiste no acto de ingerir muitos alimentos desenfreadamente, consumindo calorias acima do valor normal num determinado período. De seguida a pessoa recorre ao uso de técnicas purgativas ou exercício físico rigoroso e/ou jejuar por longos períodos, sem provocar a purgação da comida (para compensar as calorias ganhas).
Este distúrbio distingue-se da anorexia devido a na bulimia não se ver o emagrecimento extremo da segunda disfunção referida.

 O que é a obesidade?
A obesidade é caracterizada por a acumulação excessiva e patogénica de gordura no organismo, pois a ingestão alimentar é superior ao gasto energético.

 O que é a desnutrição?
A desnutrição é causada por dieta inapropriada, hipocalórica e hipoprotéica. Também pode ser causada por má absorção de nutrientes ou anorexia, ou seja, uma má alimentação.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Fotografias com os olhos vermelhos - Porque acontece?

Quando nós tiramos fotos a alguém ou alguém nos tira, por vezes, aparece na imagem da câmara fotográfica os olhos vermelhos. Isto não significa que o problema é da câmara fotográfica, mas sim do processo que ocorre desde que premimos o botão de tirar a fotografia até esta ter sido tirada.

• Porque é que os olhos ficam vermelhos em algumas fotos?

Quando é tirada uma fotografia com flash, a luz deste penetra no nosso olho, atravessa a córnea e o cristalino e chega à retina. A luz aqui é reflectida e imite a coloração vermelha da retina, que se deve ao grande fluxo de sangue no local.

sábado, 10 de julho de 2010

Pirilampo - Como produz luz?

Pirilampo

O pirilampo (também conhecido por vaga-lume) é um insecto coleóptero que emite luz.
É um animal que se alimenta de lesma e de caracóis.
Este tem órgãos bioluminescentes localizados na parte inferior dos segmentos abdominais, que produzem a luz.

• Como produz luz?

Os pirilampos produzem luz através oxidação de uma substância produzida pelo próprio corpo, a luciferina, que reage com o oxigénio nuclear, resultando em oxiluciferina que perde energia, fazendo assim o insecto brilhar.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Óculos de Sol: cuidados com a opção que fizer

É importante utilizar nos dias de Sol, não só no Verão, como nas outras estações do ano, os óculos de Sol. Estes devem ser adequados aos nossos olhos, recomendados por um oftalmologista.
Os óculos optamos por comprar em muitas lojas baratas e sem qualidade (muitas vezes vindos de outros países) podem ficar-nos mais caros, pois ainda nos arriscamos a fazer, mais tarde, tratamentos para tratar a nossa visão.

• Porque ter cuidados com a opção dos óculos de Sol?

O facto de, em óculos baratos e sem qualidade, as lentes serem mais escuras não significa maior protecção. A lente escura desses óculos facilita a acção dos raios solares, já que no escuro a pupila dilata-se – torna-se maior – permitindo a entrada de uma maior quantidade de raios UV.
Sendo assim, é preferível não usá-los e optar por uns recomendados por especialistas!

domingo, 20 de junho de 2010

Cebola - Porque é que nos faz chorar?

CEBOLA
(Allium cepa)
Este alimento é constituído por folhas escamiformes, em camadas. É originária do centro da Ásia.
  • Porque é que nos faz chorar?

Quando a cebolas são cortadas, as suas células são quebradas. As células das cebolas têm duas secções: uma com enzimas chamadas alinases e outra com sulfuretos (sulfóxidos de aminoácidos). As enzimas decompõem os sulfuretos produzindo ácido sulfénico. O ácido sulfénico é instável e decompõe-se num gás volátil chamado sin-propanetial-S-óxido. O gás dissipa-se pelo ar e eventualmente chega aos olhos, onde vai reagir com a água para formar uma solução muito fraca de ácido sulfúrico. O ácido sulfúrico irrita as terminações nervosas do olho, fazendo-os arder. Em resposta a esta irritação, as glândulas lacrimais entram em acção para diluir e lavar a irritação.

video

sábado, 29 de maio de 2010

Cecília Paz - 15º DIA EM MARTE

Cecília Paz - 15º DIA EM MARTE
Daniel Marques Ferreira

Aqui fica mais uma sugestão de leitura excelente! Esta obra baseia-se num tema interessantíssimo e que gostarão de ler! Partam também nesta viagem este dois mundos...

RESUMO:
A história deste livro baseia-a numa passagem breve, mas arriscada, de uma jovem destemida e decidida, chamada Cecília Paz.
Toda a acção desenrola-se no ano de 2090, uma década marcada pela constante inovação e desenvolvimento da tecnologia. Quanto ao espaço da acção ocorre em dois mundos: os planetas Terra e Marte.
Após a morte de seu pai, um prestigiado cientista, Cecília Paz está decidida em procurar o culpado do que se sucedera. Apesar de lhe custar relembrar momentos do passado - que este parecia ter sido eliminado da memória da Humanidade – lembrava-se de um indivíduo suspeito que saíra do escritório de seu pai, ante de deparem com o corpo desfalecido. Esse indivíduo criminoso e temível chamava-se Níconos. Cecília Paz, imaginando o seu refúgio com identidade falsa, parte para Marte em sua busca, com o objectivo de ser preso. Na viagem conheceu um elemento da tripulação da nave espacial, que tinha como função questionar o motivo da ida de passageiros para o tal planeta, hesitou e desconfiou quando a jovem disse que ia apenas para visitar. Cecília, mais tarde, teve de confessar a verdade e logo ele se prontificou a ajudar.
Quando chegaram a Marte, após várias informações recolhidas em hotéis, descobriram o paradeiro do clone de Níconos, desconhecendo inicialmente.
De volta à Terra, após várias etapas difíceis por que passara, prepara-se para uma nova investigação sobre o paradeiro de Níconos na Terra, juntamente com o seu primo e amigo – grandes conhecedores da tecnologia.
É numa suspeita Floresta Negra que, Cecília e os seus companheiros, após várias pesquisas, descobriram onde se encontrava o criminoso. Na Alemanha encontraram a sua sumptuosa, aterrorizadora e soberba mansão, onde tentavam penetrar com falsas mentiras.
Um descuido provocado por uma mentira conduziu-os a um local onde a sua saída era quase impossível. Quando descobriram o código para a sua saída, foram ter a um beco. Ficaram desolados, mas Cecília lembrou-se de utilizar o laser, que o elemento da tripulação lhe deu quando tinha viajado para Marte, para enviar uma mensagem em caso de perigo. Então, para o terráqueo receber e perceber a mensagem, Cecília apontou o objecto para a Lua e em código Morse solicitou ajuda. Momentos depois, a mansão ficou cercada por veículos aéreos, sendo a única solução de Níconos entregar-se.
Os amigos sentiram-se vitoriosos, principalmente Cecília sentindo a sensação de vingança.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Lista de Fobias

A
• Abissofobia - medo de abismos, precipícios.
• Ablepsifobia - medo de ficar cego
• Ablutofobia - medo de tomar banho.
• Acarofobia - medo de ter a pele infestada por pequenos organismos(ácaros).
• Acerofobia - medo a produtos ácidos.
• Acluofobia - medo ou horror exagerado à escuridão.
• Acrofobia - medo de altura.
• Acusticofobia - medo relacionado aos ruídos de alta intensidade.
• Aeroacrofobia - medo de lugar aberto e alto.
• Aerodromofobia - medo de viagens aéreas.
• Aerofobia - medo de ventos, engolir ar ou aspirar substâncias tóxicas.
• Aeronausifobia - medo de vomitar (quando viaja de avião).
• Afobia - medo da falta de fobias
• Agliofobia - medo de sentir dor. Sinônimo de algofobia
• Afefobia - medo de ser tocado.
• Agorafobia - medo de lugares abertos, de estar na multidão, lugares públicos ou deixar lugar seguro.
• Agrafobia - medo de abuso sexual.
• Agrizoofobia - medo de animais selvagens.
• Agirofobia - medo de ruas ou cruzamento de ruas.
• Aicmofobia - medo de agulhas de injeção ou objetos pontudos.
• Ailurofobia - medo de gatos. Idem galeofobia ou gatofobia
• Aletrorofobia - medo de galinhas. (ornitofobia)
• Algofobia - medo de dor. Idem agliofobia
• Amatofobia - medo de poeiras
• Amaxofobia - medo mórbido de se encontrar ou viajar dentro de qualquer veículo de transporte.
• Ambulofobia - medo de andar
• Amnesifobia - medo de perder a memória.
• Ancraofobia ou Anemofobia - medo de correntes de ar
• Androfobia - medo de homens
• Anatidaefobia - medo de ser observado por patos
• Anemofobia - medo de ventos
• Anginofobia - medo de engasgar
• Antofobia - medo de flores
• Antropofobia - medo de pessoas ou da sociedade
• Antlofobia - medo de enchentes
• Anuptafobia - medo de ficar solteiro (a)
• Apifobia - medo de abelhas
• Aracnefobia ou Aracnofobia - medo de aranhas
• Astenofobia - medo de desmaiar ou ter fraqueza
• Astrofobia ou astrapofobia - medo de trovões e relâmpagos
• Ataxofobia - medo de desordem.
• Autofobia - medo de si mesmo ou de ficar sozinho (Monofobia, Isolofobia)
• Automatonofobia - medo de bonecos de ventríloquo, criaturas animatrônicas, estátuas de cera (qualquer coisa que represente falsamente um ser sensível)
• Azinofobia - medo de ser agredido pelos pais
• Absorvofobia - medo de usar absorventes
B
• Bacilofobia ou Bacteriofobia - medo de bactérias (Microbiofobia)
• Balistofobia - medo de mísseis
• Basofobia ou basifobia - medo de andar ou cair (inabilidade de ficar em pé)
• Batofobia - medo de profundidade
• Botanofobia - medo de plantas
• Batofobia - medo de alturas ou ficar fechado em edifícios altos
• Batracnofobia - medo de anfíbios (como sapos, salamandras, rãs etc.)
• Belonofobia - medo de alfinetes e agulhas (aiquimofobia)
• Blennofobia - medo de limo ou coisas viscosas
• Brontofobia - medo de trovões e relâmpagos
• Biofobia - medo da vida
C
• Cacorrafiofobia - medo de fracasso ou falhar
• Caetofobia - medo de pêlos
• Cainofobia ou cainotofobia - medo de novidades
• Catagelofobia - medo do ridículo (estar ou ser)
• Catapedafobia - medo de saltar de lugares baixos ou altos
• Catoptrofobia - medo de espelhos
• Cenofobia ou centofobia - medo que caracteriza-se pela aversão e medo mórbido de sentir inquietação de grandes espaços abertos.
• Cimofobia - medo de ondas ou de movimentos parecidos com ondas
• Cinetofobia ou cinesofobia - medo de movimento
• Cinofobia - medo de cães
• Cipridofobia, ciprifobia, ciprianofobia, ou ciprinofobia - medo de prostitutas ou doença venéreas
• Ceraunofobia - medo de trovão
• Copofobia - medo da fadiga
• Corofobia - medo de dançar
• Coniofobia - medo de poeira (amatofobia)
• Cosmicofobia - medo de fenômenos cósmicos
• Cromofobia ou cromatofobia - medo de cores
• Cronofobia - medo do tempo
• Cronomentrofobia - medo de relógios
• Claustrofobia - medo de espaços confinados ou lugares fechados ou seja, o oposto da agorafobia
• Cleitrofobia ou cleisiofobia - medo de ficar trancado em lugares fechados
• Cleptofobia - medo de ser roubado
• Climacofobia - medo de degraus (subir ou cair de degraus)
• Clinofobia - medo de ir para cama
• Clitrofobia ou cleitrofobia - medo de ficar fechado
• Cnidofobia - medo de cordas
• Cometofobia - medo de cometas
• Coimetrofobia - medo de cemitérios
• Contreltofobia - medo de abuso sexual
• Coprofobia - medo de fezes
• Coulrofobia - medo de palhaços
• Cremnofobia - medo de precipícios
• Criofobia - medo de frio intenso, gelo ou congelamento
• Cristãofobia, cristofobia ou cristianofobia - medo dos cristãos
• Cogumelofobia - medo de cogumelos
• Crustáceofobia - medo de crustáceos
D
• Deipnofobia - medo de jantar e conversas do jantar
• Demonofobia - medo de demónios
• Demofobia - medo de multidão (Agorafobia)
• Dendrofobia - medo de árvores
• Dermatosiofobia, dermatofobia ou dermatopatofobia - medo de doenças de pele
• Dextrofobia - medo de objectos do lado direito do corpo
• Diabetofobia - medo de diabetes
• Dinofobia - medo de vertigens ou redemoinho
• Diplofobia - medo de visão dupla
• Dipsofobia - medo de beber
• Disabiliofobia - medo de se vestir na frente de alguém
• Dismorfofobia - medo de deformidade
• Distiquifobia - medo de acidentes
• Domatofobia ou oiquofobia - Medo de casas ou estar em casa
• Dorafobia - medo de pele de animais
• Dromofobia - medo de cruzar ruas
E
• Eisoptrofobia - medo de espelhos ou de se ver no espelho
• Electrofobia - medo de electricidade
• Eleuterofobia - medo da liberdade
• Elurofobia - medo de gatos (ailurofobia)
• Emetofobia - medo de vomitar
• Enoclofobia - medo de multidão
• Enosiofobia ou enissofobia - medo de ter cometido um pecado ou crítica imperdoável
• Entomofobia - medo de insectos
• Epistaxiofobia - medo de sangrar do nariz
• Epistemofobia - medo do conhecimento
• Equinofobia - medo de cavalos
• Eremofobia - medo de ficar só
• Ereutrofobia - medo de ficar vermelho
• Ergasiofobia - medo de trabalhar ou de operar (cirurgião)
• Ergofobia - medo do trabalho
• Eritrofobia, eritofobia ou ereutofobia - medo de luz vermelha ou do vermelho
• Eretofobia - medo mórbido de sentir dor durante relações sexuais
• Esciofobia ou esciafobia - medo de sombras
• Escolecifobia - medo de vermes
• Escopofobia ou escoptofobia - medo de estar sendo olhado
• Escotofobia - medo de escuro
• Escotomafobia - medo de cegueira
• Esfecsofobia - medo de marimbondos
• Espectrofobia - medo de fantasmas ou espectros
• Estasibasifobia ou estasifobia - medo de ficar de pé ou andar (ambulofobia)
• Estaurofobia - medo de cruz ou crucifixo
• Estenofobia - medo de lugares ou coisas estreitas
• Estigiofobia - medo do inferno
• Estruminofobia - medo de morrer defecando
• Estupefaçofobia - medo de estupefacientes ou de os consumir
• Estupofobia - medo de pessoas estúpidas
F
• Fagofobia - medo de engolir ou de comer
• Falacrofobia - medo de tornar-se careca
• Farmacofobia - medo de tomar remédios
• Febrifobia, fibrifobia ou fibriofobia - medo de febre
• Fengofobia - medo da luz do dia ou nascer do sol
• Felinofobia - medo de gatos (ailurofobia, elurofobia, galeofobia, gatofobia)
• Filemafobia ou filematofobia - medo de beijar
• Filofobia - medo de enamorar
• Filosofobia - medo de filosofia
• Fobia Social - medo de estar sendo avaliado negativamente (socialmente)
• Fobofobia - medo de fobias
• Fonofobia - medo de barulhos ou vozes ou da própria voz; de telefone
• Fotoaugliafobia - medo de luzes muito brilhantes
• Fotofobia - medo de luz
• Fronemofobia - medo de pensar
• Ftisiofobia - medo de tuberculose
• Flatusfobia - medo de liberar flatos a valer
G
• Galeofobia ou gatofobia - medo de gatos. Mesmo que ailurofobia
• Gamofobia - medo de casar
• Gefirofobia, gefidrofobia ou gefisrofobia - medo de cruzar pontes
• Geliofobia - medo de rir
• Geniofobia - medo de manter a cabeça erguida
• Gerascofobia - medo de envelhecer
• Gerontofobia - medo de pessoas idosas
• Geumafobia ou geumofobia - medo de sabores
• Gimnofobia - medo de nudez
• Ginofobia, ginefobia ou ginecofobia - medo de mulheres
• Glossofobia - medo de falar ou tentar falar em publico
• Gnosiofobia - medo do conhecimento
• Geleofobia - medo de objectos gelatinosos
H
• Hadefobia - medo do inverno
• Hagiofobia - medo de santos ou coisas santas
• Hamartofobia - medo de pecar (pecados)
• Hafefobia ou haptefobia - medo de ser tocado ou de tocar em alguém ou em alguma coisa
• Harpaxofobia - medo de estar sendo roubado
• Hedonofobia - medo de sentir prazer
• Heliofobia - medo do sol
• Hemofobia, hemafobia ou hematofobia - medo de sangue
• Heresifobia ou hereiofobia - medo de desafiar a doutrina oficial (governo)
• Herpetofobia - medo de répteis ou coisa que arrastam
• Heterofobia - etimologicamente medo do sexo oposto, uso comum: medo da heterossexualidade
• Hidrargiofobia - medo de medicamentos mercuriais
• Hidrofobia - medo de água
• Hidrofobofobia - medo de raiva (doença)
• Hielofobia ou hialofobia - medo de vidro
• Hierofobia - medo de padres ou coisas sacras
• Higrofobia - medo de líquidos ou humidade
• Hilefobia - medo de materialismo ou de epilepsia
• Hilofobia - medo de florestas
• Hipengiofobia ou hipegiafobia - medo de responsabilidade
• Hipnofobia - medo de dormir ou ser hipnotizado
• Hipofobia - medo de casas
• Hipsifobia - medo de altura
• Hobofobia - medo de bêbados ou mendigos
• Hodofobia - medo de atravessar estradas
• Hormefobia - medo de ficar abalado ou chocado
• Homiclofobia - medo de neblina
• Hominofobia - medo de homens
• Hoplofobia - medo de armas de fogo
• Homofobia - etimologicamente medo do semelhante, uso comum: medo da homossexualidade
• Hipopotomonstrosesquipedaliofobia - medo de palavras grandes
• Humilhofobia - medo de ser humilhado
I
• Iatrofobia - medo de ir ao médico
• Ictiofobia - medo de peixe
• Ideofobia - medo de ideias
• Ilingofobia - medo de vertigem ou sentir vertigem quando olha para baixo
• Iofobia - medo de veneno
• Insectofobia - medo de insectos
• Isolofobia - medo da solidão, de estar sozinho, o medo de ficar isolado (Autofobia, Monofobia)
• Isopterofobia - medo de cupins
J
• Japanofobia - aversão e medo mórbido irracional, desproporcional e persistente de japoneses e de sua cultura.
L
• Lachanophobia ou lachanofobia - medo de vegetais
• Lactofobia - medo de leite
• Laliofobia ou lalofobia - medo de falar
• Leprofobia ou leprafobia - medo de lepra
• Ligirofobia - medo de barulhos

• Ligofobia - medo de escuridão
• Lilapsofobia - medo de furacões
• Limnofobia - medo de lagos
• Linonofobia - medo de cordas
• Lissofobia - medo de ficar louco
• Literofobia - medo de letras
• Liticafobia - medo de processos (civil)
• Locquiofobia - medo de nascimento (criança)
• Logizomecanofobia - medo de computadores
• Logofobia - medo de palavras
• Luefobia - medo de sífilis (lues)
M
• Mageirocofobia - medo de cozinhar
• Maieusiofobia - medo da infância
• Malaxofobia - medo de amar (sarmassofobia)
• Maniafobia - medo de insanidade
• Mastigofobia - medo de punição
• Mecanofobia - medo de máquinas
• Megalofobia - medo de coisas grandes
• Melanofobia - medo de cor preta
• Melissofobia - medo de abelhas
• Melofobia - medo ou ódio de música
• Meningitofobia - medo de doença nervosa
• Merintofobia - medo de ficar amarrado
• Metalofobia - medo de metal
• Metatesiofobia - medo de mudar
• Meteorofobia - medo de meteoros
• Metifobia - medo de álcool
• Metrofobia - medo ou ódio de poesia
• Micofobia - medo ou aversão por cogumelos
• Microbiofobia - medo de micróbios (bacilofobia)
• Microfobia - medo de coisas pequenas
• Mictofobia - medo de escuridão
• Mirmecofobia - medo de formigas
• Misofobia - medo de germens, contaminação ou sujeira
• Mitofobia - medo de mitos, histórias ou declarações falsas
• Mixofobia - medo de qualquer substância viscosa (blenofobia)
• Molismofobia ou molisomofobia - medo de sujeira ou contaminação
• Monofobia - medo de solidão ou ficar só (Autofobia, Isolofobia)
• Monopatofobia - medo de doença incurável
• Motefobia - medo de borboleta e mariposa
• Motorfobia - medo de automóveis
• Musofobia ou murofobia - medo de ratos
• Mitocondriofobia - medo de mitocôndrias
N
• Narigofobia - medo de narizes
• Nebulafobia - medo de neblina (homiclofobia)
• Necrofobia - medo de morte ou coisas mortas
• Nelofobia - medo de vidro
• Neofarmafobia - medo de medicamentos novos
• Neofobia - medo de qualquer coisa nova
• Nefofobia - medo de nevoeiros
• Nictofobia - medo da escuridão ou da noite
• Noctifobia - medo da noite
• Nictohilofobia - medo de florestas escuras ou a noite
• Nipofobia - medo de japonês ou cultura japonesa
• Nosocomefobia - medo de hospital
• Nosofobia ou nosemafobia - medo de ficar doente
• Nostofobia - medo de voltar para casa
• Novercafobia - medo da madrasta
• Nucleomitufobia - medo de armas nucleares
• Nudofobia - medo de nudez
O
• Obesofobia - medo de ganhar peso (pocrescofobia)
• Oclofobia - medo de multidão
• Ocofobia - medo de veículos
• Odinofobia ou odinefobia - medo da dor (algofobia)
• Odontofobia - medo de dentista ou cirurgia odontológica
• Oenofobia - medo de vinhos
• Ofidiofobia - medo de cobras
• Oftalmofobia - medo de estar sendo vigiado
• Olfactofobia - medo de cheiros
• Ombrofobia - medo de chuva ou de estar chovendo
• Ometafobia ou omatofobia - medo de olhos
• Oneirofobia - medo de sonhos
• Onomatofobia - medo de ouvir certas palavras ou nomes
• Ostraconofobia - medo de ostras
• Orientalofobia - medo de orientais
• Ornitofobia - medo de passaros
• Octofobia - medo do número 8
P
• Pedofobia - medo das crianças.
• Pirofobia - medo do fogo.
• Parasquavedequatriafobia - medo de sexta-feira 13
Q
• Quadrofobia - medo de ir ao quadro
• Quemofobia - medo de substâncias químicas ou de trabalhar com elas
• Quenofobia - medo de espaços vazios
• Quifofobia - medo de parar
• Quimofobia - medo de ondas
• Quionofobia - medo de neve
• Quinofobia - medo de raiva (doença)
• Quiraptofobia - medo de ser tocada(o)
• Quilofobia - medo de esquilos ou qualquer um roedor.
R
• Rabdofobia - medo de ser severamente punido
• Radiofobia - medo de radiação, raio-X
• Ripofobia - medo de defecar
• Ritifobia - medo de ficar enrugado
• Rupofobia - medo de sujeira
S
• Sarmassofobia - medo de seduzir e de participar de jogos de sedução
• Satanofobia - medo de satã (demônio)
• Selafobia - medo de flashes (luzes)
• Selachofobia - medo de tubarões
• Selenofobia - medo da lua
• Seplofobia - medo de material radiativo
• Sesquipedalofobia - medo de palavras grandes
• Sexoafobia - medo de fazer sexo
• Sexofobia - medo do sexo oposto (heterofobia)
• Siderodromofobia - medo de trem ou viagem de trem
• Siderofobia - medo de estrelas
• Sinistrofobia - medo de coisas do lado esquerdo, mão esquerda
• Sinofobia - medo de chinês ou cultura chinesa
• Sitofobia ou Sitiofobia - medo de comida ou comer (cibofobia)
• Socerafobia - medo de padrasto ou madrasta
• Sociofobia - medo da sociedade ou de pessoas em geral
• Somnifobia - medo de dormir
• Simmetrofobia - medo de simetria
• Singenesofobia - medo de parentes
• Sifilofobia - medo de sífilis
• Sofofobia - medo de aprender
• Soteriofobia - medo de dependência dos outros
• Surifobia - medo de camundongo (rato)
• Simbolofobia - medo de símbolos
T
• Tacofobia ou Tachofobia - medo de velocidade
• Taeniofobia ou Teniofobia - medo de solitária (tênia)
• Tafofobia ou tafefobia - medo de ser enterrado vivo
• Talassofobia - medo do mar
• Tanatofobia ou tantofobia - medo da morte ou de morrer
• Tapinofobia medo de ser contagioso
• Taurofobia - medo de touro
• Teatrofobia - medo de teatro
• Tecnofobia - medo de tecnologia
• Telefonofobia - medo de telefone
• Teleofobia - medo de definir planos ou de cerimônias religiosas
• Teofobia - medo de Deus ou de religião
• Teologicofobia - medo de teologia
• Teratofobia - medo de crianças ou pessoas deformadas
• Termofobia - medo de calor
• Testofobia - medo de fazer provas (escolares)
• Tetanofobia - medo de tétano
• Tiranofobia - medo de tiranos
• Tocofobia - medo de gravidez
• Tomofobia - medo de cirurgia
• Tonitrofobia - medo de trovão
• Topofobia - medo de certos lugares ou situações, que dão medo ou pavor
• Toxifobia, toxofobia ou toxicofobia - medo de se envenenar
• Traumatofobia - medo de traumas (físicos)
• Tripanofobia - medo de injecções
• Triscaidecafobia - medo do número 13
• Tropofobia - medo de mudar ou fazer mudanças
U
• Uranusfobia - medo do planeta Úrano.
• Uranofobia - medo do céu
• Urifobia - aversão e medo mórbido irracional, desproporcional persistente e repugnante a fenômenos paranormais
• Urofobia - medo de urina ou do ato de urinar
• Uiofobia - medo dos próprios filhos; medo da prole.
V
• Vacinofobia - medo de vacinação
• Verbofobia - medo de palavras
• Verminofobia - medo de vermes
• Virginitifobia - medo de estupro
• Vitricofobia - medo do padrasto
• Vitrofobia - medo de qualquer objecto vítrico
X
• Xantofobia - medo da cor amarela / medo de objetos de cor amarela
• Xenofobia - medo de estrangeiros ou estranhos
• Xerofobia - medo de secura, aridez
• Xilofobia - medo de objectos de madeira ou de floresta
Z
• Zelofobia - medo de ter ciúmes
• Zeusofobia - medo de Deus ou deuses
• Zoofobia - medo de animaisbarulhos
• Ligofobia - medo de escuridão
• Lilapsofobia - medo de furacões
• Limnofobia - medo de lagos
• Linonofobia - medo de cordas
• Lissofobia - medo de ficar louco
• Literofobia - medo de letras
• Liticafobia - medo de processos (civil)
• Locquiofobia - medo de nascimento (criança)
• Logizomecanofobia - medo de computadores
• Logofobia - medo de palavras
• Luefobia - medo de sífilis (lues)
M
• Mageirocofobia - medo de cozinhar
• Maieusiofobia - medo da infância
• Malaxofobia - medo de amar (sarmassofobia)
• Maniafobia - medo de insanidade
• Mastigofobia - medo de punição
• Mecanofobia - medo de máquinas
• Megalofobia - medo de coisas grandes
• Melanofobia - medo de cor preta
• Melissofobia - medo de abelhas
• Melofobia - medo ou ódio de música
• Meningitofobia - medo de doença nervosa
• Merintofobia - medo de ficar amarrado
• Metalofobia - medo de metal
• Metatesiofobia - medo de mudar
• Meteorofobia - medo de meteoros
• Metifobia - medo de álcool
• Metrofobia - medo ou ódio de poesia
• Micofobia - medo ou aversão por cogumelos
• Microbiofobia - medo de micróbios (bacilofobia)
• Microfobia - medo de coisas pequenas
• Mictofobia - medo de escuridão
• Mirmecofobia - medo de formigas
• Misofobia - medo de germens, contaminação ou sujeira
• Mitofobia - medo de mitos, histórias ou declarações falsas
• Mixofobia - medo de qualquer substância viscosa (blenofobia)
• Molismofobia ou molisomofobia - medo de sujeira ou contaminação
• Monofobia - medo de solidão ou ficar só (Autofobia, Isolofobia)
• Monopatofobia - medo de doença incurável
• Motefobia - medo de borboleta e mariposa
• Motorfobia - medo de automóveis
• Musofobia ou murofobia - medo de ratos
• Mitocondriofobia - medo de mitocôndrias
N
• Narigofobia - medo de narizes
• Nebulafobia - medo de neblina (homiclofobia)
• Necrofobia - medo de morte ou coisas mortas
• Nelofobia - medo de vidro
• Neofarmafobia - medo de medicamentos novos
• Neofobia - medo de qualquer coisa nova
• Nefofobia - medo de nevoeiros
• Nictofobia - medo da escuridão ou da noite
• Noctifobia - medo da noite
• Nictohilofobia - medo de florestas escuras ou a noite
• Nipofobia - medo de japonês ou cultura japonesa
• Nosocomefobia - medo de hospital
• Nosofobia ou nosemafobia - medo de ficar doente
• Nostofobia - medo de voltar para casa
• Novercafobia - medo da madrasta
• Nucleomitufobia - medo de armas nucleares
• Nudofobia - medo de nudez
O
• Obesofobia - medo de ganhar peso (pocrescofobia)
• Oclofobia - medo de multidão
• Ocofobia - medo de veículos
• Odinofobia ou odinefobia - medo da dor (algofobia)
• Odontofobia - medo de dentista ou cirurgia odontológica
• Oenofobia - medo de vinhos
• Ofidiofobia - medo de cobras
• Oftalmofobia - medo de estar sendo vigiado
• Olfactofobia - medo de cheiros
• Ombrofobia - medo de chuva ou de estar chovendo
• Ometafobia ou omatofobia - medo de olhos
• Oneirofobia - medo de sonhos
• Onomatofobia - medo de ouvir certas palavras ou nomes
• Ostraconofobia - medo de ostras
• Orientalofobia - medo de orientais
• Ornitofobia - medo de passaros
• Octofobia - medo do número 8
P
• Pedofobia - medo das crianças.
• Pirofobia - medo do fogo.
• Parasquavedequatriafobia - medo de sexta-feira 13
Q
• Quadrofobia - medo de ir ao quadro
• Quemofobia - medo de substâncias químicas ou de trabalhar com elas
• Quenofobia - medo de espaços vazios
• Quifofobia - medo de parar
• Quimofobia - medo de ondas
• Quionofobia - medo de neve
• Quinofobia - medo de raiva (doença)
• Quiraptofobia - medo de ser tocada(o)
• Quilofobia - medo de esquilos ou qualquer um roedor.
R
• Rabdofobia - medo de ser severamente punido
• Radiofobia - medo de radiação, raio-X
• Ripofobia - medo de defecar
• Ritifobia - medo de ficar enrugado
• Rupofobia - medo de sujeira
S
• Sarmassofobia - medo de seduzir e de participar de jogos de sedução
• Satanofobia - medo de satã (demônio)
• Selafobia - medo de flashes (luzes)
• Selachofobia - medo de tubarões
• Selenofobia - medo da lua
• Seplofobia - medo de material radiativo
• Sesquipedalofobia - medo de palavras grandes
• Sexoafobia - medo de fazer sexo
• Sexofobia - medo do sexo oposto (heterofobia)
• Siderodromofobia - medo de trem ou viagem de trem
• Siderofobia - medo de estrelas
• Sinistrofobia - medo de coisas do lado esquerdo, mão esquerda
• Sinofobia - medo de chinês ou cultura chinesa
• Sitofobia ou Sitiofobia - medo de comida ou comer (cibofobia)
• Socerafobia - medo de padrasto ou madrasta
• Sociofobia - medo da sociedade ou de pessoas em geral
• Somnifobia - medo de dormir
• Simmetrofobia - medo de simetria
• Singenesofobia - medo de parentes
• Sifilofobia - medo de sífilis
• Sofofobia - medo de aprender
• Soteriofobia - medo de dependência dos outros
• Surifobia - medo de camundongo (rato)
• Simbolofobia - medo de símbolos
T
• Tacofobia ou Tachofobia - medo de velocidade
• Taeniofobia ou Teniofobia - medo de solitária (tênia)
• Tafofobia ou tafefobia - medo de ser enterrado vivo
• Talassofobia - medo do mar
• Tanatofobia ou tantofobia - medo da morte ou de morrer
• Tapinofobia medo de ser contagioso
• Taurofobia - medo de touro
• Teatrofobia - medo de teatro
• Tecnofobia - medo de tecnologia
• Telefonofobia - medo de telefone
• Teleofobia - medo de definir planos ou de cerimônias religiosas
• Teofobia - medo de Deus ou de religião
• Teologicofobia - medo de teologia
• Teratofobia - medo de crianças ou pessoas deformadas
• Termofobia - medo de calor
• Testofobia - medo de fazer provas (escolares)
• Tetanofobia - medo de tétano
• Tiranofobia - medo de tiranos
• Tocofobia - medo de gravidez
• Tomofobia - medo de cirurgia
• Tonitrofobia - medo de trovão
• Topofobia - medo de certos lugares ou situações, que dão medo ou pavor
• Toxifobia, toxofobia ou toxicofobia - medo de se envenenar
• Traumatofobia - medo de traumas (físicos)
• Tripanofobia - medo de injecções
• Triscaidecafobia - medo do número 13
• Tropofobia - medo de mudar ou fazer mudanças
U
• Uranusfobia - medo do planeta Úrano.
• Uranofobia - medo do céu
• Urifobia - aversão e medo mórbido irracional, desproporcional persistente e repugnante a fenômenos paranormais
• Urofobia - medo de urina ou do ato de urinar
• Uiofobia - medo dos próprios filhos; medo da prole.
V
• Vacinofobia - medo de vacinação
• Verbofobia - medo de palavras
• Verminofobia - medo de vermes
• Virginitifobia - medo de estupro
• Vitricofobia - medo do padrasto
• Vitrofobia - medo de qualquer objecto vítrico
X
• Xantofobia - medo da cor amarela / medo de objetos de cor amarela
• Xenofobia - medo de estrangeiros ou estranhos
• Xerofobia - medo de secura, aridez
• Xilofobia - medo de objectos de madeira ou de floresta
Z
• Zelofobia - medo de ter ciúmes
• Zeusofobia - medo de Deus ou deuses
• Zoofobia - medo de animais

quarta-feira, 14 de abril de 2010

O Olho Humano

INTRODUÇÃO

O olho humano ou o globo ocular é o órgão responsável pela visão no ser humano. Este órgão de pequenas dimensões dá origem a um sentido básico que permite a exploração das imagens e a sua percepção: a visão.
Os olhos estão constantemente a enviar para o cérebro informações que detecta do mundo exterior. A parte da visão em que se “vê” tem lugar quando as mensagens nervosas chegam ao cérebro que as transforma em imagens pormenorizadas coloridas e tridimensionais, ou seja, os olhos são os sensores e o cérebro o processador.
A constituição deste órgão, bem como o seu funcionamento, são os subtemas que irei abordar neste trabalho.

DESENVOLVIMENTO

1. Constituição do Olho
Para percebermos como toda a informação vinda do exterior chega ao cérebro, precisamos de conhecer o nosso olho, quer dizer, como ele é constituído para que a informação seja perceptível.


Córnea: refracta os raios de luz que entram nos olhos e exerce o papel de protecção à estrutura interna do olho.
Íris: é a porção visível e colorida do olho logo atrás da córnea. A sua função é regular a quantidade de luz que entra em nossos olhos.
Pupila: é a abertura no centro da íris que permite a entrada de luz para o olho. A pupila contrai-se – torna-se mais pequena - quando a luminosidade é menor (impedindo a entrada de luz excessiva) e dilata-se – torna-se maior – quando a luminosidade é em maior quantidade (deixando penetrar mais luz para o olho).
Cristalino: é uma lente biconvexa natural do olho e sua função é auxiliar na focalização da imagem sobre a retina.
Músculos Cilares: Ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem sua elasticidade, dificultando a focagem dos objectos próximos e provocando uma deficiência chamada de presbiopia, mais conhecida como vista cansada.
Fovea Centrallis: Porção de cada um dos olhos que permite perceber detalhes dos objectos observados. Localizada no centro da retina (o revestimento do fundo do olho), é muito bem irrigada de sangue. A fovea é parecida com uma cratera, cujo centro é preenchido com células cónicas. Estas são receptores que detectam os raios luminosos e as cores.
Nervo óptico: transporta os impulsos eléctricos do olho para o centro de processamento do cérebro, para a devida interpretação.
Ponto Cego: Local em que o nervo óptico, ligado ao cérebro, se junta com a retina. Os vasos sanguíneos que irrigam a retina também deixam o olho a partir dali. O ponto cego tem esse nome pelo fato de não haver células fotossensíveis nessa área da retina.

HUMORES:
Humor Aquoso:
Líquido que se encontra entre a córnea e o cristalino.
Humor Vítreo: Líquido que ocupa o espaço entre o cristalino e a retina

TÚNICAS / CAMADAS:
Esclerótica: Camada externa do globo ocular. É a parte branca do olho. Semi-rígida, ela dá ao globo ocular seu formato e protege as camadas internas mais delicadas.
Coróide: Camada média do globo ocular. Constituída por uma rede de vasos sanguíneos, ela supre a retina de oxigénio e outros nutrientes.
Retina: é a membrana fina que preenche a parede interna e posterior do olho, que recebe a luz focalizada pelo cristalino. A retina percebe a luz e produz estímulos que são transmitidos através do nervo óptico até o cérebro. Na retina existem células chamadas bastonetes – dão imagens a preto e branco e outras chamadas cones – permitem ver as cores.

2. Funcionamento do Olho
Quando olhamos na direcção de algum objecto, a imagem atravessa a córnea e chega à íris, que regula a quantidade de luz recebida por meio de uma abertura chamada pupila. Quanto maior a pupila, mais luz entra no olho. Passada a pupila, a imagem chega ao cristalino, e é focada sobre a retina. A lente do olho produz uma imagem invertida, e o chegam ao cérebro (que converte para a posição correcta) através do nervo óptico. Na retina, mais de cem milhões de células fotorreceptoras transformam as ondas luminosas em impulsos electroquímicos que são descodificados pelo cérebro.



CONCLUSÃO

Com a resolução deste conciso trabalho adquiri conhecimentos sobre a constituição e funcionamento do olho. Perceber o seu mecanismo e a influência que este órgão tem com a luz permite perceber como o ser humano e outros seres detectam a imagem vinda do exterior.



BIBLIOGRAFIA:
http://visaopsicologia.home.sapo.pt
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/olhos-humano
http: //www.retinaevitreo.com
Livro: “Guia do Corpo Humano” / Olhos

quinta-feira, 8 de abril de 2010

"Quero Ser Outro"

A todos os visitantes sugiro mais outro livro de literatura infanto-juvenil.
É um livro fácil de ler, com vocabulário bastante acessível e simples e com algumas ilustrações, que aparecem, principalmente, antes de cada capítulo. Vão gostar de ler! Para saberem mais pormenores, leiam o resumo abaixo!




"Quero Ser Outro"
Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada

RESUMO:
A obra «Quero Ser Outro» conta a história de dois jovens rapazes que não só eram parecidos fisicamente, como psicologicamente, pois ambos sentiam dentro deles a força de vontade de mudar de vida.
Alexandre, a personagem principal, sentia-se desorientado no tema que dizia respeito à sua carreira profissional porque não sabia o curso que queria seguir. Como auxílio para esta situação, marcou uma consulta num Instituto com a especialidade de Orientação Profissional, mas sem nenhuma razão axiomática, decidiu não estar presente. Era um rapaz que vivia amores “desencontrados”, apesar de fazer parte da idade, pois o amor que sentia por uma jovem rapariga chamada Síbila não lhe era correspondido e ele próprio não correspondia ao amor que uma outra jovem rapariga, Maria, sentia por ele.
Certo dia, farto da sua família, da monotonia em sua casa, da escola (a qual desprezava), das suas paixões e até de si próprio, resolveu dar uma volta pelas Docas. Aí encontrou um jovem parecidíssimo com ele: o seu sósia, chamado Alex. Conversaram sobre as suas vidas e o descontentamento que esta lhes trazia e deliberaram “trocar” de personalidades e de vidas: durante um mês, o Alexandre passou a trabalhar num iate de um milionário, enquanto o Alex ia à escola. Alexandre ainda pensou em desistir no último tempo, mas a determinação do seu sósia não o encorajou a dizer o que realmente queria.
Se Alexandre imaginasse o que os dias seguintes lhe esperavam, nunca teria pensado em renunciar. Sempre que permutavam, novidades um ao outro, ele fazia por não abranger muitos pormenores acerca da viagem que decorria e das fantásticas aventuras que passava, com receio que, porventura, ele quisesse regressar antecipadamente.
Alexandre viveu muitos episódios intensamente: a ceia do seu comandante com a top model; a chegada a Veneza, onde o iate ancorou numa belíssima baía; as suas águas límpidas; as ruas da cidade; os sumptuosos e faustosos monumentos que transmitiam espanto em cada rosto vindo de diferentes partes do mundo; a breve “paixoneta” com uma rapariga estrangeira; o jantar com o Mister Milles e com as jovens misteriosas que pertenciam a um clube chamado “A Irmandade da Serpente”; as aventuras mais arriscadas com o seu colega Renato… tudo ficou guardado na memória dele. Durante estes episódios, as notícias que o seu sósia partilhou com Alexandre eram, essencialmente, sobre a subida de notas nos testes de avaliação e do seu excelente relacionamento com Rita, com quem andava cada vez mais próximo.
Quando passou o mês da troca de identidades, os dois jovens reencontraram-se nas Docas e contaram mais factos. O único assunto que ficou pendente foi o de Rita. Alex apenas pediu que não a desiludisse e regressaram às suas vidas normais.
No dia seguinte, de regresso às aulas, Alexandre para manter o bom relacionamento que Alex tinha mantido com a Rita , beijou-a e em breve namoravam.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

"Pedro Alecrim"

Após ler e analisar as ideias propostas por outras "blogueiras" e seleccionar temas que mais me interessavam e outros que pus de parte, decidi começar por expor primeiramente no meu blog as minhas sugestões de leitura. Claro que cada escritor, quando publica um livro, tem noção de o apresentar adequado a cada faixa etária, mas as pessoas de outras idades também o poderão ler! Espero que ao exibir a minha ideia, os meus leitores as sigam e que partam também ao fantástico mundo da leitura, como eu o fiz!

Como disse Voltaire: "A leitura engrandece a alma!"
Aventurem-se...!
As minha primeira sugestão é:


"Pedro Alecrim"
António Mota
RESUMO:
O escritor António Mota conta a história de um jovem rapaz e a sua vida escolar, no campo e com a família e colegas.
Pedro Alecrim era um rapaz novo que vivia no monte juntamente com os seus pais e irmãos. Habitava numa casa em que o trabalho de lavoura era fonte de sustento.
Todos os dias parti para a escola onde, por vezes, se questionava sobre a aprendizagem de determinadas matérias que o confundiam e como ia aguentar o peso de tantos livros. Pedro não era bom aluno, mas esforçava-se nas aulas. Quando este jovem regressava a casa ia tratar do gado, apanhava a erva e distribuía-a na manjedoira dos animais e ia buscar as cabras aos campos.
Certo dia, o pai de Pedro adoeceu. O pai deste jovem afirmava que era uma ligeira indisposição e recusava-se a ir ao médico.
Quando um dia Pedro regressava da escola, sua mãe disse-lhe que o pai tinha ido para o hospital onde, posteriormente, ia ter uma cirurgia e onde, mais tarde, acabou por morrer. Com esta situação, Pedro passou a realizar, em casa, tarefas mais difíceis.
Uns meses depois, o seu tio, que era ferreiro, convidou-o a trabalhar com ele. Pedro deu fim à sua carreira de estudante para se tornar um futuro ferreiro.


Motivei-vos? Agora leiam!

sábado, 27 de março de 2010

"Caloira"... aceita sugestões!


Olá a todos!
Bem... é a inauguração do meu blog, isto quer dizer que, ainda não tenho como base nenhum tema, mas pode ser que futuramente tenha aqui um blog encorpado, ou seja, um blog com cabeça, tronco e membros!
Considero-me uma "caloira", pois vai ser aos poucos e poucos que vou descobrir, explorar, analisar, avaliar e estudar vários temas. O meu objectivo é abordar inúmeros temas para o auxílio de pesquisas que qualquer pessoa faça sempre que entre na rede da Internet. De momento, estou aberta a sugestões que pretendam que desenvolvam neste blog.
Espero que gostem e - claro! - que fiquem a saber sempre um pouco mais do que quando entram pela primeira vez, pois "Saber... não ocupa lugar"!

Boa caça!